quinta-feira, 20 de março de 2008

Efeitos do aquecimento no planeta

Image
Ronilson José da Paz, biólogo e analista ambiental do Ibama/PB

Lançamento excessivo de gases de efeito estufa causa mutações no clima, deixando o mundo inteiro preocupado com suas conseqüências. Este é o assunto tratado analista ambiental Ronilson José da Paz, em entrevita à repórter Teresa Duarte.

Ronilson José da Paz é natural de João Pessoa-PB. Biólogo Mestre, Bacharelado e Licenciado em Biologia pela Universidade Federal da Paraíba - UFPB, é funcionário público federal lotado no Instituto Brasileiro do Meio Ambiente na Paraíba - Ibama/PB, na função de Analista Ambiental e atualmente responde pela coordenadoria de Fauna e Pesca no Estado da Paraíba.

`La Niña´ tem contribuído para aumento do problema

O aquecimento da temperatura que vem se registrando nos últimos dias, está ligado ao efeito La Niña. Segundo informações do analista ambiental, Ronilson José da Paz, o termo La Niña, que significa "a menina", em espanhol, surgiu por ser este o fenômeno oposto ao conhecido fenômeno El Niño.

Esse efeito também pode ser chamado de episódio frio, ou ainda El Viejo ("o velho", em espanhol). Algumas pessoas chamam o La Niña de anti-El Niño

O La Niña ocorre da seguinte maneira: com os ventos alísios mais intensos, mais águas irão ficar "represadas" no Pacífico Equatorial Oeste e o desnível entre o Pacífico Ocidental e Oriental irá aumentar. Com os ventos mais intensos a ressurgência também irá aumentar no Pacífico Equatorial Oriental, e portanto virão mais nutrientes das profundezas para a superfície do Oceano, ou seja, aumenta a chamada ressurgência no lado Leste do Pacífico Equatorial.

"Por outro lado, devido a maior intensidade dos ventos alísios as águas mais quentes irão ficar represadas mais a Oeste do que o normal e portanto novamente teríamos aquela velha história: águas mais quentes geram evaporação e conseqüentemente movimentos ascendentes, que por sua vez geram nuvens de chuva e a célula de Walker, que em anos de La Niña fica mais alongada que o normal", explica o analista ambiental.

Confira a entrevista:

O calor tem incomodando muito a população em diversos municípios paraibanos. A que se atribui esse aquecimento na temperatura?

Eu acredito que isso seja uma conseqüência da grande quantidade de liberação do gás carbônico na atmosfera, advinda da queima, principalmente do combustível. Além disso, a queima de carvão, petróleo e gás natural pela indústria e sistemas de transporte, também são responsáveis por conta da grande emissão de gás carbônico.

O que tem haver essa liberação do gás com o aquecimento do clima?

As mudanças climáticas podem ser caracterizadas pelo aquecimento global que se verifica na terra, e ocorre devido ao aumento indiscriminado das emissões de gases causadores de efeito estufa. Esse fenômeno natural gerado por gases causadores de efeito estufa - GEE -, os quais absorvem luz infravermelha térmica que deveria ser direcionada ao espaço, aquecendo a atmosfera e garantindo a vida no planeta. O Efeito Estufa Intensificado, contudo, causado pelo aumento das concentrações de GEE altera as condições de temperatura naturais, sendo prejudicial a fauna e a flora terrestre.

Quais as conseqüências do efeito estufa ao planeta?

O efeito estufa tem colaborado com o aumento da temperatura no globo terrestre nas últimas décadas. Pesquisas recentes indicaram que o século XX foi o mais quente dos últimos 500 anos. Pesquisadores do clima afirmam que, num futuro próximo, o aumento da temperatura provocado pelo efeito estufa poderá ocasionar o derretimento das calotas polares e o aumento do nível dos mares. Como conseqüência, muitas cidades litorâneas poderão desaparecer do mapa.

Quais as principais causas do efeito estufa?

Queima de carvão, petróleo e gás natural pela indústria e sistemas de transporte, que causam grande emissão de gás carbônico.

Em que consiste o feito estufa?

O efeito estufa consiste, basicamente, na ação do dióxido de carbono e outros gases sobre os raios infravermelhos refletidos pela superfície da terra, reenviando-os para ela, mantendo assim uma temperatura estável no planeta. Ao irradiarem a terra, parte dos raios luminosos oriundos do sol são absorvidos e transformados em calor, outros são refletidos para o espaço, mas só parte destes chega a deixar a terra, em conseqüência da ação refletora que os chamados "Gases de Efeito Estufa" (dióxido de carbono, metano, clorofluorcarbonetos- CFCs- e óxidos de azoto) têm sobre tal radiação reenviando-a para a superfície terrestre na forma de raios infravermelhos.

O que deve ser feito para se evitar esse efeito estufa no planeta?

No caso de não se tomarem medidas drásticas, de forma a controlar a emissão de gases de efeito estufa é quase certo que teremos que enfrentar um aumento da temperatura global que continuará indefinidamente, e cujos efeitos serão piores do que quaisquer efeitos provocados por flutuações naturais, o que quer dizer que iremos provavelmente assistir as maiores catástrofes naturais (agora causadas indiretamente pelo homem) alguma vez registradas no planeta. Para evitar esse efeito estufa foi criado o Protocolo de Kyoto.

Em que consiste o Protocolo de Kyoto?

O Protocolo de Kyoto é um acordo internacional para reduzir as emissões de gases-estufa dos países industrializados e para garantir um modelo de desenvolvimento limpo aos países em desenvolvimento. O documento prevê que, entre 2008 e 2012, os países desenvolvidos reduzam suas emissões em 5,2% em relação aos níveis medidos em 1990.

Onde e quando esse protocolo foi elaborado?

O tratado foi estabelecido em 1997 em Kyoto, Japão, e assinado por 84 países. Destes, cerca de 30 já o transformaram em lei. O pacto entrará em vigor depois que isso acontecer em pelo menos 55 países. O acordo impõe níveis diferenciados de reduções para 38 dos países considerados os principais emissores de dióxido de carbono e de outros cinco gases-estufa. Para os países da União Européia, foi estabelecida a redução de 8% com relação às emissões de gases em 1990. Para os Estados Unidos, a diminuição prevista foi de 7% e, para o Japão, de 6%. Para a China e os países em desenvolvimento, como o Brasil, Índia e México, ainda não foram estabelecidos níveis de redução. Os Estados Unidos, o país que mais emite gases estufa, se retiraram do acordo em março de 2001.

Fonte: A União - Teresa Duarte
08.03.2008



BlogBlogs.Com.Br
Postar um comentário