sexta-feira, 1 de junho de 2012

Grupo quer tirar macaco guariba do risco de extinção

A Rebio Guaribas, na Paraíba, é um dos poucos locais
onde o macaco guariba pode viver sem ser importunado.
O macaco guariba Alouatta belzebul (também conhecido por bugio ou barbado) está entre os maiores primatas neotropicais, com comprimento de 30 a 75 centímetros. Sua pelagem varia de tons ruivos, ruivo acastanhados, castanho e castanho escuro.

Leia também

Este macaco é famoso por seu grito, que pode ser ouvido em toda a mata, e pela presença de pêlos mais compridos nos lados da face formando uma espécie de barba, habita a Mata Atlântica, desde o sul da Bahia (subespécie Alouatta guariba guariba) até o Rio Grande do Sul, chegando ao norte da Argentina, na região de Misiones (subespécie Alouatta guariba clamitans). 

Como este Primata chama a atenção pela cor de sua pelagem, agilidade, tamanho, sofrendo com a caça ilegal, por isto estas duas subespécies constam na lista do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis - IBAMA como animais ameaçados de extinção.

Na Paraíba, a Reserva Biológica Guaribas (Rebio Guaribas), administrada pelo Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), uma reserva biológica localizada nos Municípios de Mamanguape (91,59%) e Rio Tinto (8,41%), distando cerca de 50 km de João Pessoa, foi criada pelo Decreto Federal nº 98.884, de 25 de janeiro de 1990, tem como objetivo proteger um dos últimos remanescentes de Floresta Atlântica do Estado da Paraíba e abrigar espécies raras, endêmicas e ameaçadas de extinção, dentre elas a espécie do macaco guariba.

No programa Good News, da RedeTV, de 31/05/2012, foram apresentados os esforços de pesquisadores, estudantes e servidores do Instituto Chico Mendes para a Conservação da Biodiversidade - ICMBio, que trabalham no resgate desses macacos e tentam introduzi-lo a seu habitat natural.


Vídeo 1  - Grupo quer tirar Macaco Guariba do risco de extinção




Vídeo 2  - Grupo quer tirar Macaco Guariba do risco de extinção




Postar um comentário