sábado, 31 de dezembro de 2011

A dengue, o mal do século

O vírus da dengue é transmitido por mosquitos do gênero Aedes, principalmente as espécies Aedes aegypti e Aedes albopictus.

Leia também


O mosquito Aedes aegypti é considerado um inseto doméstico, que vive em estreita associação com os humanos, reproduzindo-se em recipientes artificiais em torno das casas e é responsável pela maior parte da transmissão da dengue.

O ciclo da transmissão da dengue é homem -> mosquito -> homem. Os mosquitos não carregam naturalmente o vírus da dengue, mas é adquirido de uma pessoa infectada pela dengue antes que possam transmiti-lo para outra pessoa. 

Apenas as fêmeas dos mosquitos picam os humanos, tendo em vista que necessitam do ferro contido na hemoglobina do sangue para o amadurecimento dos ovos. Portando, apenas os mosquitos fêmeas transmitem patógenos.

A fêmea do mosquito pode adquirir o vírus da dengue após a ingestão de sangue de uma pessoa contaminada com o patógeno. Após a contaminação pelo patógeno, demora cerca de 12 dias para o mosquito possa ser capaz de transmitir o vírus para uma nova pessoa. Durante esse tempo, o vírus se replica dentro do corpo do mosquito, espalhando-se até atingir as sua glândulas salivares. O vírus é então injetado com a saliva em um ser humano quando o mosquito tem uma refeição de sangue.

Tendo em vista que a maioria dos mosquitos vivem menos de 30 dias, apenas os mosquitos relativamente antigos (aqueles com pelo menos 12 dias de vida) pode transmitir o vírus da dengue aos seres humanos.

A dengue ocorre em mais de 100 países, com epidemias mais importantes no sudeste da Ásia, nas Américas e no Pacífico Ocidental.

Existem quatro sorotipos do vírus da dengue, os quais podem causar febre e febre hemorrágica, uma forma mais grave e potencialmente fatal da doença. A dengue impõe uma carga de doença global significativa, com cerca de 2,5 bilhões de pessoas - 40% da população mundial - em risco de infecção. A Organização Mundial da Saúde (OMS) relata 50 a 100 milhões de casos de dengue por ano.

A dengue tornou-se uma doença amplamente estabelecida ao longo dos trópicos, com o desenvolvimento da navegação comercial durante o Século XVIII. Em 1905, durante um surto de dengue em grandes Brisbane (Queensland, Austrália), local médica praticante Thomas Bancroft foi o primeiro a demonstrar que o mosquito, Aedes aegypti, foi um vetor de dengue. Em 1905, durante um surto de dengue em Brisbane (Queensland, Austrália), o médico Thomas Bancroft foi o primeiro a demonstrar que o mosquito Aedes aegypti era o vetor de dengue. A epidemiologia da dengue foi transformado no Sudeste Asiático durante a Segunda Guerra Mundial. As implementações das tropas facilitou a circulação de diferentes vírus da dengue em toda a região, que resultou em hiperendemicidade (co-circulação dos sorotipos de dengue múltiplos), um dos principais fatores relacionados ao surgimento da epidemia de dengue hemorrágica nas Filipinas e Tailândia durante a década de 1950. Na década de 1970 epidemias regulares de dengue e dengue hemorrágica eram comuns em todo o Sudeste Asiático.

Mapa da incidência da dengue.
Nas últimas décadas há um ressurgimento global da epidemia de dengue e dengue hemorrágica. Muitos fatores são responsáveis ​​por esse aumento generalizado da atividade da dengue. No entanto, está claro que o rápido crescimento populacional, a urbanização e o aumento de viagens aéreas internacionais têm sido forças motrizes associadas com o aumento explosivo da incidência da dengue. O rápido crescimento populacional e a urbanização mal planejada levou a habitações precárias, a abastecimento inadequado de água e a sistemas de gestão de resíduos. Conseqüentemente, o armazenamento de água potável e outros acúmulos de água urbanas (como, por exemplo, pneus velhos, lixo) fornecem o habitat para as larvas do mosquito Aedes aegypti, que está  adaptado para estes ambientes domésticos, por isto sua distribuição em áreas urbanas tem se expandido. O aumento das viagens aéreas tem facilitado a disseminação de cepas de sorotipos da dengue e entre regiões, aumentando a prevalência de hiperendemicidade e o risco de dengue hemorrágica.

Agente Ambiental coletando larvas de mosquitos em pneus, na
Cidade de Machado - MG.

O acúmulo de lixo em locais não apropriados foi considerado o responsável
por casos de  dengue em Osasco - SP, em 2008.


Atualmente, não existem tratamentos específicos ou vacinas eficazes para combater a dengue, portanto, o monitoramento da doença e programas de controle de vetores são os únicos métodos disponíveis para a prevenção desta enfermidade. No entanto, estas medidas em grande parte envolvem programas baseados em inseticidas, que são caros de manter, e a aplicação em grande escala, frequentemente despertam consideráveis preocupações ambientais.

Fumacê borrifando veneno em um bairro da periferia de Manaus - AM.

Postar um comentário